OUÇA MÚSICAS INSPIRADAS

27 de ago de 2009

011 - O Dinheiro está na Boca do Peixe

Introdução:
O que dá veracidade ao título desta mensagem é o que Jesus afirmou a Pedro, quando disse: "Mas, para que não os escandalizemos, vai ao mar, lança o anzol, e o primeiro peixe que fisgar, tira-o; e, abrindo-lhe a boca, acharás um estáter. Toma-o e paga-os por mim, e por ti” Mt 17.27.
Deus criou o homem a Sua imagem e semelhança (Gn 1.26). E disse: “tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre toda terra e sobre todos os répteis que rastejam na terra”. Esse domínio, que o homem tem, é para obter a sua manutenção e a de sua família. Hoje, esse domínio, vem através do nosso trabalho, e assim nos sustentamos, quando recebemos dinheiro.
O dinheiro está na boca do peixe. Esta afirmação que fiz, a primeira vista, parece estranha, mas o próprio Jesus Cristo nos mostra a veracidade dela, ao mandar o apóstolo Pedro retirar, da boca do peixe, o dinheiro necessário para que eles paguem os impostos, e ficassem livres de seus compromissos e pudessem assim, se dedicarem ao ministério da palavra de Deus.
Em outra oportunidade, Jesus ao chamar Pedro, e os demais apóstolos ao ministério, disse: “Vinde a mim e eu os farei pescadores de homens” (Mt 4.19).
No texto, que citei anteriormente de Gn 1. 26 destaca-se a palavra “domínio”. Vejamos, “domínio sobre os peixes”, espiritualmente, peixes significa homens, almas, isto é, poder para dominar homens para os caminhos de Deus.
Por que? Porque, Deus sabia, que Satanás usurparia a autoridade do homem, quando o levou a desobedecer a Deus pecando, logo, o homem receberia de Deus essa ordem, para reconduzir almas a Deus.
Jesus quer, que possamos ser pescadores de almas (homens) e Ele nos daria poder para conduzi-los a Deus. Daí, com essa missão, Pedro e os demais apóstolos, que exerciam a profissão de pescadores, agora largariam tudo, para se dedicarem a serem pescadores de homens.
Esse poder, para “dominar homens”, na realidade é, poder para determinar que a ação maligna, que esta sobre esses homens, saiam e eles sejam libertos.
Pedro recebeu o seguinte estímulo, para continuar pescando almas: “Eis que nós tudo deixamos e te seguimos. Jesus respondeu: Em verdade vos digo que, ninguém há, que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou mãe, ou pai, ou filhos, ou campos, por amor de mim e por amor ao evangelho, que não receba, já no presente, o cêntuplo de casas, irmãos, irmãs, mães, filhos, campos, com perseguições, e, mundo por vir, a vida eterna” (Mt 10. 28-30).
Quando o homem trabalha para “pescar almas”, produzir frutos e multiplicar o reino de Deus, Deus mesmo trabalhará para ele. Veja o texto: “Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão que penosamente granjeastes; aos seus amados ele o dá enquanto dorme” (Sl 127. 2). Você trabalha para estabelecer o Reino de Deus, e Deus trabalha para estabelecer o seu reino. Deus cuida de seus negócios, cuida de suas necessidades, cuida de sua família, e lhe dá prosperidade: “Porque desde a Antigüidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu Deus além de ti, que trabalha para aquele que nele espera” (Isaías 64.4). Aleluia!
E também: “Não são todos eles (anjos) espíritos ministradores, enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação?” (Hb 1.14).
O Rei de Sodoma disse a Abraão: “Dá-me as pessoas, e os bens ficarão contigo” (Gn 14.21). Jesus Cristo, o Rei dos reis, está dizendo: Dá-me almas e Eu te darei prosperidade, nada há de te faltar, por fazer a minha vontade.
Veja a confirmação bíblica em Mt 22. 35 – “A seguir, Jesus lhes perguntou: Quando vos mandei sem bolsa, sem alforje e sem sandálias, faltou-vos, porventura alguma coisa? Nada, disseram eles”.
A benção está na boca do peixe. O dinheiro, a moeda, o sustento, a prosperidade está na boca do peixe. Quanto mais almas ganharmos, quanto mais almas a Igreja buscar, mais prosperidade teremos, pois, Deus sabe, que precisaremos de mais recursos, para melhor fazermos a Sua obra.
Não estou falando de uma troca de favores com Deus. Estou falando de uma realidade espiritual. Fomos chamados por Deus, para sermos pescadores de homens, foi assim, que Jesus se referiu aos primeiros discípulos, e é assim que Ele nos considera, ainda nos dias de hoje.
Observe ao seu redor. Aquelas Igrejas, que mais se preocupam em ganhar almas, são aquelas também mais prósperas. Há, em muitas Comunidades Cristãs, uma falsa afirmação, que o preferível é a “qualidade” e não a “quantidade”, isso para justificar o comodismo e falta de trabalho nessas comunidades. Vivendo dentro de uma redoma, essas comunidades, nada fazem, nada querem fazer, nada permitem que se façam, ao invés, criticam aqueles e aquelas Igrejas que o fazem.
Desejo que, você, caro leitor, se desprenda dos “dogmas” de sua comunidade cristã, e consulte ao Senhor, com respeito a essas palavras, que estás lendo, para que o Espírito te convença, e sejas mais e mais próspero, na obra do Senhor, em sua vida e em sua família.
Veja os quatro segredos de um abençoado pescador:
1) Tempo – Você precisa ter tempo para se dedicar à pesca.
Muitos irmãos usam todo o seu tempo para trabalhar, em função de sua vida e de sua família. São fiéis dizimistas e ofertantes, mas não prosperam. Observe o texto do Salmo 127. 1: “Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam”, e novamente sito o verso 2: “inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão, que penosamente granjeastes, aos seus amados, ele o dá enquanto dormem”. Use, uma boa parte de seu tempo, para ganhar almas e trabalhar na obra e receberás grande prosperidade.
2) Paciência – Você precisa ter paciência para a pesca.
Muitos irmãos, ainda não adquiriram, o dom da paciência, e logo querem ver os resultados. Estes resultados só se vêem com muita oração e jejum. A Bíblia fala, que o lavrador precisa aguardar com paciência, os primeiros frutos. Vale a pena aguardar, pois o resultado é certo, quando ouvimos a voz de Deus: “O fruto do justo é árvore de vida, e o que ganha almas é sábio” (Pv 11.30). Paciência tem que estar aliada a esperança. Ambas caminham juntas, e com ambas, se obtêm a vitória.
3) Silêncio – Você precisa fazer silêncio para pescar.
Muitos irmãos falam demais, falam o que não convém, falam coisas impróprias. Precisamos fazer silêncio para primeiro ouvir de Deus as estratégias da pesca. A hora, o local e a maneira de lançar as redes: “Disse-lhes Simão Pedro: vou pescar. Disseram-lhe os outros; também nós vamos contigo. Saíram, e entraram no barco, e, naquela noite, nada apanharam”. Então lhes disse Jesus: “Lançai a rede à direita do barco e achareis. Assim fizeram e já não podiam puxar a rede, tão grande era a quantidade de peixes” (Jo 21. 3, 6).
4) Isca – Você precisa aprender a escolher a isca certa para pescar.
Cada tipo de peixe, se pesca com determinada isca, a qual mais lhe atrai. Muitos irmãos saem para “pescar almas”, sem nenhuma estratégia, sem nenhum planejamento, e por isso não são vitoriosos no que se propõem a fazer. A evangelização requer cuidados, planejamento e estratégias, realizando-a pessoalmente ou coletivamente. Tem que se aprender, a tirar da Palavra de Deus, que é a boa isca, a isca correta para cada momento. Precisamos aprende-la e vivencia-la em nossas atitudes, para que ela tenha resultados. A estratégia de Paulo: “A minha palavra e a minha pregação não consistiram em linguagem persuasiva de sabedoria (humana), mas em demonstração do Espírito e de poder” (I Co 2. 4).
Conclusão:
Creio que aprendemos uma revelação nova, mesmo que, seja já tão antiga, para muitos servos de Deus, ao longo da história da Igreja Cristã. Deus trabalha para você, quando você está colocando “o reino de Deus em primeiro lugar”, e saberá que “todas as coisas vos serão acrescentadas”.
Para recebermos prosperidade integralmente, em todas as áreas de nossa vida, precisamos ganhar almas para Jesus. Não se esqueça o dinheiro está na boca do peixe. Aleluia!

Nenhum comentário:

Postar um comentário