OUÇA MÚSICAS INSPIRADAS

25 de out de 2009

20 - O Culto Infantil

Introdução:

A idéia de organizar o Culto Infantil deve ser de todo aquele, que se preocupa com o desenvolvimento espiritual das crianças.
Esta também foi à preocupação de Deus, ou seja, de ensinar as crianças: “tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te.” - Dt 6.7
Também Jesus fez a seguinte recomendação: “Jesus, porém, chamando-as para junto de si, ordenou: Deixai vir a mim os pequeninos e não os embaraceis, porque dos tais é o reino de Deus.” - Lc 18.16
Normalmente as crianças são colocadas nas piores instalações das Igrejas, e nesse lugar, como poderemos ensiná-las corretamente?
Tanto a mensagem, como o local e até mesmo o material didático devem ser os melhores.
Lembre-se, que estamos formando os futuros líderes da Igreja de Cristo, e como teremos Igrejas fortes se não investirmos hoje no ministério junto às crianças?
Este é o investimento que o retorno é garantido. Pense nisso!

O Que é Propósito?

Em tudo o que fazemos, devemos ter propósitos. Sem propósitos bem definidos, qualquer projeto, por melhor que pareça, está fadado a não dar certo.
Propósito é o objetivo, o alvo que se quer alcançar, por isso o propósito vem antes do que o planejamento.
Sem definir os objetivos, os alvos a serem alcançados, não se pode planejar nada e nem realizar nada.
Antes do propósito só vem o sonho, porque o sonho vem de Deus, e quando Deus dá um sonho é por que Ele quer realizar alguma coisa através de nós.

Qual o propósito do Culto Infantil?

1 - Proporcionar à criança a formação necessária ao desenvolvimento de sua vida cristã.
2 - Criar condições para a criança possa se desenvolver dentro da Igreja através de oportunidades.
3 - Facilitar o entrosamento entre as crianças, permitindo assim que desenvolvam sociabilidade e estabilidade emocional.
4 - Ajudá-las a terem um relacionamento espiritual com Deus, que lhe permita ter um encontro pessoal para a salvação em Cristo Jesus.

Como alcançar os propósitos do Culto Infantil?

Esta pergunta o educador deve estar fazendo toda a semana: Como alcançarei os propósitos, que foi traçado para o Culto Infantil?
Ao parar para responder a essa pergunta, o educador nunca perderá de vista os propósitos de estar realizando aquela atividade, que no nosso caso é o Culto Infantil.
Para alcançar os propósitos você precisa ter PLANEJAMENTO.
O planejamento das atividades é fundamental para se ter bom êxito e alcançar os objetivos.

Como fazer um Planejamento que seja eficaz?

Para planejar você precisa conhecer seu “PÚBLICO ALVO”, para assim, melhor definir a maneira de alcançá-los.

Vejamos alguns pontos:

• Quantas crianças em média terão nos Cultos infantis aos domingos.
• Quais são as faixas etárias.
• Quantos professores e auxiliares serão necessário.
• Quantas salas, equipamentos, materiais diversos, etc. precisarão para desenvolver as atividades.
• De onde virá os recursos financeiros semanais para o lanche e, periodicamente, para os materiais das atividades, etc.

Um planejamento eficiente garante êxito nos propósitos gerais e nos objetivos específicos.

Como ter uma Didática eficiente para o Culto Infantil?

A primeira coisa é a verdadeira definição do que seja um Culto Infantil. O Culto Infantil é um Culto de Louvor e Adoração prestado a Deus pelas crianças, e não um momento de lazer, para não atrapalharem os adultos na hora da mensagem do culto da Igreja.
Deve-se evitar usar esse tempo com brincadeiras, ao menos que essas venham contribuir para melhorar o entendimento da mensagem que se quer transmitir.
Para as crianças que ainda não foram alfabetizadas, podem-se elaborar atividades que incluam algum tipo de brincadeira.
Em muitos lugares o Culto Infantil é chamado de “cultinho”, isso traz efeito negativo, pois dá a entender que aquele momento não tem a seriedade que lhe é devida.
Como as crianças não conseguem, pela maturidade que tem, prestar a atenção e participar do Culto da igreja, deve-se realizar o Culto para elas de forma que elas participem e entendam.

Essa didática deve incluir:

1. Cânticos.
- Devem ser alegres e preferivelmente, que apontem em direção a mensagem ou história a ser pregada.
- Antes de cantar ou ensinar qualquer cântico, deve-se analisar a letra para ver se está de acordo com o que cremos e aceitamos doutrinariamente.
- Às vezes, certos cânticos são por demais abstratos e alegóricos, e se não houver uma explicação, as crianças não entenderão o sentido ou terão entendimento errado da mensagem que queremos passar.
- Sempre que for possível, o ideal é que os cânticos a serem cantados sejam reproduzidos no Projetor de Transparências ou no Data show.

2. Leituras da Bíblia.

- De preferência na Linguagem de Hoje, pois é mais fácil para as crianças entenderem.
- Devem-se ler textos pequenos para que as crianças possam gravar, e se possível destacar um versículo e repeti-lo algumas vezes.

3. Oração.
- A oração é de suma importância no Culto Infantil, pois é também nele, que se ensina a criança a orar.
- Devem-se tomar cuidado com aquele tipo de oração em que o dirigente fala e as crianças repetem. Esse método é bom para ensinar as crianças de pequena faixa etária, contudo não deve ser aplicado às crianças maiores do que 5 anos.
- Quando o dirigente fizer uma oração, deve lembrar que a sua oração deve ser simples, objetiva e curta, pois assim as crianças estarão entendendo e aprendendo com mais facilidade.

4. Mensagem.
- O ponto principal da mensagem no Culto Infantil é que ela deve ter uma linguagem simples, sem muitos sinônimos para que a criança seja alcançada.
- Simplicidade não quer dizer despreparo, feita de qualquer jeito, mas sim, que deve ter todos os pontos necessários, mas com um vocabulário de palavras simples.

4.1) O Sermão infantil deve ser interativo.
- A mensagem deve interagir com as crianças. O sermão e a ilustração devem ser flexíveis, podemos variar no decorrer da mensagem em função do que está acontecendo ao redor.
- Muitas das vezes alguma criança fala alguma coisa referente ao que se está falando, e é nesse momento que aquele que está pregando ou dando a lição deve aproveitar para melhor comunicar a mensagem.

4.2) O Sermão infantil deve ser Bíblico e Teológico.
- Não é porque está sendo pregado para as crianças, que se pode falar qualquer coisa no sermão.
- Mesmo uma ilustração deve estar aliada a um versículo da Bíblia, e o versículo deve ser explicado detalhadamente para que as crianças possam guardar.
- No final da mensagem ou da ilustração o versículo que serviu de base, deve ter sido decorado para melhor fixação na mente das crianças.

4.3) O Sermão infantil deve ter um apelo.
- Erroneamente, na maioria dos cultos presbiterianos, foi abolido o “apelo”.
- É no final da mensagem ou ilustração, que você deve levar a criança a dar uma resposta ao que foi pregado.
- É nesse momento que verificamos se a mensagem ou a ilustração alcançou o seu propósito.

- Algumas considerações precisamos fazer:

a) O apelo não é somente visando à salvação, mas quando no Culto Infantil há crianças não crentes, esse apelo é importante.

b) O apelo é uma resposta do que foi ensinado. Por exemplo: de obediência, de santificação, de fidelidade (as crianças devem aprender desde pequenas sobre o dízimo e ofertas), de missões, etc.

c) O apelo deve ser breve e objetivo. Você deve ser paciente quanto à reação das crianças.

d) O apelo deve ser claro, não pode levar as crianças a terem dúvidas do que se está apelando.

5. Lanche.
- A questão do lanche é muito discutida entre os líderes de Culto Infantil.
- Há os prós e os contra desta prática, contudo creio, que oferecer um lanche as crianças, traz mais benefício do que malefício.
- É nesse momento de descontração, que pode haver uma maior confraternização entre as crianças da Igreja, e entre essas e as visitantes.
- A questão do lanche é muito própria a cada Igreja e sua liderança.

Qual a importância do recurso Audiovisual?

As crianças dos dias de hoje estão acostumadas em receber informações através de recursos audiovisuais, portanto ao realizar o Culto Infantil, devem-se usar esses meios para que a mensagem as alcance melhor.

É bom saber que, uma pesquisa realizada sobre o aprendizado, chegou à seguinte conclusão:

1% do que se aprende vem através do paladar;
1,5% vem através do toque;
3,5% vem através do cheiro;
11% vem através do ouvido; e pasmem...
83% do que se aprende vem através da VISÃO.

Veja como, em relação aos recursos audiovisuais, eles melhoram em muito a memória para gravar as informações:

Método de Comunicação:
O que se Lembra 3 horas depois: O professor só falando 70% - O professor só mostrando 72% - O professor falando e mostrando 85%

O que se Lembra 3 dias depois: O professor só falando 10% - O professor só mostrando 20% - O professor falando e mostrando 65%

Com respeito ao conhecimento que uma pessoa obteve, 80% vêm pelos olhos. Quase que invariavelmente lembramos bem mais aquilo que vemos do que aquilo que ouvimos.
Para a criança, a parte visual é a mais relevante, pois é a partir dela que a criança interiormente formará conceitos do que está ouvindo.
A criança parte do real para o irreal. Ver, ouvir e tocar é o princípio básico para se imaginar o invisível e o abstrato.
É sempre mais fácil aprender quando podemos usar os nossos sentidos para fazê-lo.
Os recursos audiovisuais estimulam o interesse, aceleram a aprendizagem, evitam mal entendidos, e, melhoram a memória.

Há necessidade de se ter um Boletim Dominical Infantil?

Se você vai preparar um Culto Infantil, pense também em preparar um Boletim para as crianças.

O Conteúdo deve ter a ordem do culto, avisos, cânticos, perguntas do catecismo infantil, passatempo bíblico, aniversariantes, assuntos da UCP, pedido de oração, etc.
O Boletim Infantil pode ter diversos formatos, mas o mais usual é a metade da folha A4 ou Ofício dobrada no meio. A disposição dos assuntos cada líder coloca a sua, contudo na primeira página deve ter o nome da Igreja, endereço, telefone, nome do Pastor e data e número do boletim.
O boletim Dominical Infantil é de extrema relevância, pois permite dar a criança estímulo e valoriza o Culto Infantil.

A Importância do Corpo Docente.

É de fundamental importância o corpo docente, pois são os professores que darão o conteúdo programado para as crianças.

Características que um professor deve ter:
 Deve ser convicto da sua salvação.
 Deve ser dedicado (Estudar a bíblia e a lição dependente do Espírito Santo).
 Deve ser vocacionado por Deus.
 Deve ter amor e compreensão.
 Deve ter visão (acreditar no projeto de Deus para as crianças).
 Deve ter responsabilidade (pontualidade, assuidade, organização, tempo).
 Dever ter vida cristrocêntrica (o professor é um espelho)
 Deve ter vida de oração.
 Deve ser persistente.
 Deve ser atualizado.
 Deve ter boa apresentação.
 Deve ter disposição
 Deve ter interesse pelos alunos.

Os 10 mandamentos para o professor cristão:

1. Dependa do Espírito Santo
2. Use métodos apropriados ao conteúdo da lição
3. Prepare bem a aula com antecedência
4. Desenvolva as idéias com entusiasmo
5. Tenha coragem para experimentar idéias novas
6. Seja sensível às necessidade e expectativa dos alunos
7. Adapte as idéias de aula a aula
8. Use um plano de aula
9. Avalie bem a aula e os métodos depois da lição dada.
10. Varie as idéias de aula em aula.

Conclusão:

- O Culto Infantil bem realizado, é uma bênção para as crianças.
- Educa a Criança no caminho em que ela deve andar e nunca se desviará dele.
- Que possamos desenvolver este ministério com alegria e eficiência dentro de nossas Igrejas. Amém!

8 de out de 2009

19 - O Quase Cristão: Uma reflexão para o Dia de Hoje

Introdução:

Observemos o texto de At 26.28: "Então, Agripe se dirigiu a Paulo e disse: Por pouco me persuades a me fazer cristão."

O que significa o advérbio “quase”?
1. Perto (aproximadamente) – Ex: Ele está quase na idade escolar.
2. Pouco Menos – Ex: Ele quase descobriu a fórmula.
3. Por pouco, não: por um triz, não. – Ex: Ela quase foi atropelada.

Tantas e tantas foram às vezes, que nós estivemos “quase” alguma coisa. - Quase que eu passei no vestibular; quase que minha avó chegou aos noventa anos; etc. Quase isso, quase aquilo...

Em nosso dia a dia o quase está muito presente, a tal ponto, que também na nossa vida espiritual, temos vivido muitas das vezes, o quase e não o exato. Gostaria de refletir, em poucas linhas, sobre a pessoa do "QUASE CRISTÂO".

1. O QUE QUER DIZER QUASE CRISTÃO?
É aquele que sabe o que deve fazer, porém não faz. Veja Tg 4. 17: “Portanto, aquele que sabe que deve fazer o bem e não o faz nisso está pecando”.

É aquele que está convencido, e não convertido (rendido) ao Senhor Jesus. Veja At 26. 28: “Então Agripa se dirigiu a Paulo e disse: Por pouco me persuadis a me fazer cristão”.

É aquele que procura servir a Deus e ao mundo. Veja: Tg 4. 4: “Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus”.

É aquele que se diz crente em Jesus, todavia não dá frutos. Veja: Jó 15. 16: “Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vos conceda” (compare com v. 4-5).

2. POR QUE TANTOS CRENTES SÃO “QUASE CRISTÃOS”?
Porque seguem doutrinas de homens e não de Deus. Veja: Mt 15. 7-9: “Hipócritas! Bem profetizou Isaías a vosso respeito, dizendo: Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens”.

Porque falam pela boca e não pelo coração. Veja Jo 7. 13: “Entretanto, ninguém falava dele abertamente, por medo dos judeus”.

Porque não querem ficar mal com parentes e amigos. Veja Jo 12. 42-43: “Contudo, muitos dentre as próprias autoridades creram nele, mas, por causa dos fariseus, não o confessavam, para não serem expulsos da sinagoga; porque amaram mais a glória dos homens do que a glória de Deus”.

Por causa do amor aos prazeres do mundo. Veja 2 Tm 3. 4: “traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus” (compare com vs. 1-7).

Por causa de pecados não confessados. Veja Pv 5. 22: “Quanto ao perverso, as suas iniqüidades o prenderão. E com as cordas do seu pecado será detido” (compare com vs. 21 e 23).

Porque são crentes avarentos (isto é, apegados demasiadamente ao dinheiro e sem generosidade). Veja Lc 12. 15: “Então, lhes recomendou: tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui” (compare vs. 20-21; 1 Tm 6. 7-10; 2 Co 9. 5-7).

3. UMA ADVERTÊNCIA DIVINA AOS “QUASE CRISTÃOS”.
A Palavra de Deus identifica o “Quase Cristão” como o morno. Veja Ap 3. 15-16: “Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente. Quem dera fostes frio ou quente. Assim, por que és morno e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca”.

Para esses, como no tempo de Israel, Deus castigará. Veja Mq 6. 13: “Assim, também passarei eu a ferir-te e te deixarei desolada por causa dos teus pecados”. Compare com vs. 14-16).

4. O QUE O SENHOR PEDE DO “QUASE CRISTÃO”?

Veja Mq 6. 8: “Ele te declarou, ó homem, o que é bom e que é que o Senhor pede de ti: que pratiques a justiça, e ames a misericórdia, e andeis humildemente com o teu Deus”.

- Praticar a justiça;
- Amar a misericórdia;
- Andar humildemente com o Senhor Deus.

E, SE NÃO O FIZER?

Veja Hb 12. 25: “Tende cuidado, não recuseis ao que fala. Pois, se não escaparam aqueles que recusaram ouvir quem, divinamente, os advertia sobre a terra, muito menos nós, os que nos desviamos daquele que dos céus nos adverte”.

Amém.

2 de out de 2009

18 - Com Deus nada é Impossível

Veja o texto de Hebreus 6. 4-6: "É imposível, pois, que aqueles que uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram participantes do Espírito Santo, e provaram a boa palavra de Deus e os poderes do mundo vindouro, e caíram, sim, é impossível outra vez renová-los para arrependimento, visto que, de novo, estão crucificando para si mesmos o Filho de Deus e expondo-o à ignomínia."

Introdução:

Conheço pessoas que vivem com medo e em terror contínuos. Essa sensação terrível começou para elas no dia em que se afastaram do Senhor.
Muitas delas tinham sido gloriosamente salvas, e cheias do Espírito de Deus. Haviam testificado do poder da graça de Deus, e sido testemunhas efetivas do evangelho; haviam aconselhado a muitos em suas igrejas, ministrando-lhes o amor de Cristo.
Até que um dia, em meio a dissabores, disseram: “Chega. Não quero mais esta vida. Quero gozar a vida. Beber um pouco, me divertir, uma festa de vez em quando. Não quero ir longe demais. Só quero um pouco de diversão”.
Então, abandonaram a fé. Notem estes não era nenhum incrédulo, cego espiritualmente. Tinha uma base bíblica forte. Fora equipado com a verdade do evangelho; havia permitido que o Santo Espírito se movesse nele, e o convencesse. E experimentou alegria no servir ao Senhor.
Mas agora é o total oposto do cristão. Caiu de maneira total e absoluta no pecado; carrega dolorosa tristeza no coração. Convenceu-se de que agora atravessou uma linha, e não pode mais voltar. Ele se vê afastado demais, preso demais ao pecado, para poder algum dia voltar para Deus.
Conhecem o texto bíblico, de Hebreus 6.4-6 que diz: “É impossível, pois, que aqueles que uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram participantes do Espírito Santo, e provaram a boa palavra de Deus e os poderes do mundo vindouro, e caíram, sim, é impossível outra vez renová-los para arrependimento, visto que, de novo, estão crucificando para si mesmos o Filho de Deus e expondo-o à ignomínia”.
Este texto apaga o último raio de esperança. Agora, aqueles que se afastaram sentem-se condenados à maldição eterna. Hoje, milhares de pessoas que no passado foram crentes fiéis, estão na mesma situação.
A certa altura, saíram da presença de Deus, pecaram de modo repulsivo, e caíram da graça. Agora estão vivendo em oposição direta à incrível luz que um dia receberam. E estão convencidos de que inexiste qualquer esperança de algum dia voltarem para Cristo.
Isso descreve você, ou alguém que você conheça? Se é assim, Deus quer lhe dar uma mensagem que pode mudar totalmente a sua vida. Amém?
Nos últimos trinta anos em meu ministério, tenho visto muitas pessoas perdidas vindo a Cristo. Tenho testemunhado que muitas pessoas chegarem à salvação em Jesus. Muitas destas haviam sido consideradas casos totalmente desesperadores.
Observei que estas pessoas foram maravilhosamente transformadas pelo poder de Cristo. Mesmo assim, às vezes Satanás seduzia alguns destes convertidos a voltarem à vida antiga. Uma vez caídos, o diabo berrava em seus ouvidos: “Você está amarrado demais para algum dia ficar livre. Você está amaldiçoado, é fraco, e não tem condições de se libertar. Agora você nunca mais pode voltar para Jesus”.
Quero examinar hoje o significado da passagem de Hebreus 6.4-6: “É impossível... renová-los”.
Para quem, exatamente, isso é impossível?
1. É Impossível para qualquer Pastor ou para qualquer leigo alcançar alguém nessa situação.
Parece que quanto mais espiritual a pessoa era, mais difícil é alcançá-la quando cai. Você pode falar a ela como oráculo de Deus, viver a emoção da cruz na frente dela, passar-lhe a intimidade do coração de Jesus - porém mesmo assim, seu coração continua uma pedra.
Jeremias profetiza sobre esta situação: “Dir-lhe-ás, pois, todas estas palavras, mas não te darão ouvidos; chamá-los-ás, mas não te responderão” (Jeremias 7.27).
Já vi muitos perdidos responderem á pregação da Palavra de Deus. Estes incluíam os mais vis pecadores e antes de estas pessoas virem a Jesus, eram insensíveis no pecado.
Pode crer: é impossível para qualquer pessoa alcançar e renovar estes crentes que caíram. Porque eles permitiram que o diabo lhes convencesse: “Você pecou em demasia contra a luz. Agora é tarde demais. Simplesmente não dá para você ser alcançado”.

(Para quem, exatamente, é impossível renová-los de novo ao arrependimento?)
2. É Impossível que os entes queridos e os amigos os renovem.
Um esposo, por mais amoroso e dedicado que seja, não consegue derreter o coração de uma esposa, que se afastou da Casa de Deus e do próprio Senhor.
Ela simplesmente não se comove, nem por lágrimas e nem pela ternura. Ela parece estar totalmente fora do alcance de qualquer gesto ou poder humano.
Também, já vi o mesmo tipo de distanciamento em esposos rebeldes e enganosos, que deixam a família. As esposas suplicam. Os filhos agarram as pernas do pai e choram. Mas nada pode mover estes homens. Não há amor humano que os possa alcançar. O amor humano e os argumentos simplesmente não conseguem romper o domínio deste tipo de pecado.
(Para quem, exatamente, é impossível renová-los de novo ao arrependimento?)
3. Nem mesmo o medo do Inferno ou do Juízo consegue tocá-los.
Esse que se afastou, sabe muito bem que o salário do pecado é a morte. Também sabe que todo pecado que cometia estava sendo registrado, acrescentando à pessoa o peso da culpa.
Muitos cristãos que caíram dizem: “Por que pensar no inferno iria me incomodar? Eu já estou no inferno”. De certa maneira, estão certos: é um inferno levantar todo dia com uma nuvem escura em cima da cabeça. É um inferno ser controlado por um hábito que você não consegue controlar, vivendo como animal, buscando só prazer.
É um inferno mesmo perder a fé, perder a esperança, perder a família e os entes queridos. No fim, a pessoa fica sozinha unicamente com o seu "eu" pecador. A Pessoa foi alijada de Deus, totalmente consciente do fato, de ter cuspido em Sua face.
Aquele crente pecou contra a incrível Luz. Ele experimentou a maravilhosa palavra de Deus. E está crucificando Jesus diariamente, expondo-O abertamente à ignomínia. Ele está se afastando da cruz, se aprofundando no pecado. Sim, é impossível para qualquer pastor, ou ente querido, ou qualquer advertência quanto ao julgamento de Deus, levá-lo ao arrependimento.
Porém, em nenhum lugar das escrituras diz que é impossível para Deus operar essa obra na pessoa. Jesus nos diz que com Deus nada é impossível: “Os impossíveis dos homens são possíveis para Deus” (Lucas 18. 27). Aleluia!
Em verdade, nenhuma pessoa se afastou tanto a ponto de o Senhor não poder restaurá-la. Jeremias diz: “Porque assim diz o Senhor: Teu mal é incurável, a tua chaga é dolorosa. Não há quem defenda a tua causa; para a tua ferida não tens remédios nem emplasto. Todos os teus amantes se esqueceram de ti, já não perguntam por ti; porque te feri com ferida de inimigo e com castigo de cruel, por causa da grandeza da tua maldade e da multidão de teus pecados...Tua dor é incurável. Por causa da grandeza de tua maldade e da multidão de teus pecados é que eu fiz estas cousas” (Jeremias 30. 12-15).
O Senhor está dizendo: “Os seus terríveis pecados lhe deixaram doente e enfermo. Você se tornou completamente depravado. E agora a ferida está tão profunda, que não pode ser curada. Você não tem remédio”. Contudo, nunca é impossível para Deus.
Apenas dois versículos adiante, o Senhor diz à estas mesmas pessoas incuráveis: “Porque te restaurarei a saúde e curarei as tuas chagas... pois te chamaram a repudiada, dizendo: É Sião, já ninguém pergunta por ela” (Jr 30.17).
Amado, o mundo pode lhe descartar. Mesmo sua família, e seus amigos podem desistir de você. Mas Deus promete: “Nunca te deixarei. Vou te resgatar, e curar todas as feridas de teu corpo e de tua alma”. Aleluia!
Talvez, tenha sido Satanás, que tenha lhe convencido que Deus desistiu de você.
Davi diz que as pessoas o descartaram, também: “dizendo: Deus o desamparou...pois não há quem o livre” (Salmo 71.11). Então, o quê fez Davi? Das profundezas do desespero ele clamou: “Deus, me ajude” (veja 71.12). O Senhor ouviu o grito de Davi e o restaurou: “Tu, que me tens feito ver muitas angústias e males, me restaurarás ainda a vida e de novo me tirarás dos abismos da terra. Aumenta a minha grandeza, conforta-me novamente” (Salmo 71. 20-21).
Talvez, Hebreus 6.4-6 tenha convencido a muitos que eles não possam ser renovados para o arrependimento. O fato é: toda vez que Deus ouve o nosso grito profundo e arrependido, o Seu coração é movido. Ele fielmente responde ao nosso clamor, nos restaurando, nos curando, e nos renovando para o arrependimento.
Não pense que você pode esperar chegar outra hora para invocar ao Senhor. A hora para a sua renovação é agora.
Então, clame a Ele hoje. Ele é fiel para lhe livrar, e restaurar tudo que o gafanhoto devorou. Ele deseja ardentemente lhe dar um coração novo, e um novo começo. Nada é impossível com Ele!
Conclusão:
Se nada é impossível para Deus, devemos crer que também não será impossível evangelizarmos milhares de pessoas num só dia: o dia de finados.
Talvez seria impossível para mim, como Pastor, para as famílias daqueles que estão sem Cristo, mas para Deus não.
Vamos interceder. Vamos nos engajar. Vamos ofertar para pagarmos as despesas. Vamos trabalhar.
Quem vai realizar os impossíveis é o Senhor. Amém?
Glória a Deus! Aleluia! Amém!

17 - A Abundante Graça

Introdução:

O tema em foco, desta palavra tem o seu contexto registrado, no relato da vida comunitária da Igreja Cristã Primitiva. E nela, destacamos alguns aspectos desta vida comunitária, que por causa deles gerou essa “Abundante Graça”.

Por exemplo:

a) “Da multidão dos que creram, era um o coração e a alma” (v. 32 a), isto é, tinham os mesmos sentimentos, vontades e propósitos.

Mesmo sendo pessoas diferentes, contudo, na comunhão da Igreja, por obra do Espírito Santo, eram “um”, tinham comunhão plena. Não havia partidarismo.

b) “Ninguém considerava exclusivamente sua nenhuma das coisas que possuíam; tudo, porém, lhes era comum” (v. 32b), isto queria dizer que, esses crentes, de fato, consideravam-se como verdadeiros irmãos, da mesma família.

Onde todos usurfluiam de tudo para que todos pudessem ter suprido todas as suas necessidades.

E, por fim:

c) O testemunho dos apóstolos a respeito da ressurreição de Jesus Cristo era acompanhado de “grande poder” (v. 33 a).

Não era uma mensagem fria e sem vida, mas, esse “grande poder” era uma palavra com a autoridade do Espírito de Deus, falada em verdade e acompanhada de obras, como assim deve ser toda palavra que é pregada em nome de Jesus Cristo.

E, por causa disso ou em função disso “em todos eles havia abundante graça” (v. 33 b).

3 MARCAS DA ABUNDANTE GRAÇA

1) VERDADEIRO AMOR

A primeira marca dessa “abundante graça” é AMAR SEM ESPERAR NADA EM TROCA. É amar, mesmo sem ser amado.

É fácil amar quando somos amados. É fácil amar quem também nos ama. Mas, o verdadeiro amor é o amor sacrificial (ágape), que nos entregamos mesmo sem ganhar nada em troca.

Veja o texto:

11 A mensagem que vocês ouviram desde o princípio é esta: que nos amemos uns aos outros.
12 Não sejamos como Caim, que pertencia ao Maligno e matou o próprio irmão. E por que o matou? Porque o que Caim fazia era mau, e o que o seu irmão fazia era bom.
13 Meus irmãos, não estranhem se as pessoas do mundo os odeiam.
14 Nós sabemos que já passamos da morte para a vida e sabemos isso porque amamos os nossos irmãos. Quem não ama está ainda morto.
15 Quem odeia o seu irmão é assassino, e vocês sabem que nenhum assassino tem em si a vida eterna.
16 Sabemos o que é o amor por causa disto: Cristo deu a sua vida por nós. Por isso nós também devemos dar a nossa vida pelos nossos irmãos.
17 Se alguém é rico e vê o seu irmão passando necessidade, mas fecha o seu coração para essa pessoa, como pode afirmar que, de fato, ama a Deus?
18 Meus filhinhos, o nosso amor não deve ser somente de palavras e de conversa. Deve ser um amor verdadeiro que se mostra por meio de ações.

2) PERDOAR SEM RESTRIÇÕES

A segunda marca dessa “abundante graça” é conceder PERDÃO SEM RESTRIÇÕES, SEM CLÁUSULAS, SEM OBRIGAÇÕES. É conceder perdão sem que o que errou, tenha que fazer alguma coisa ou dar algo em troca.

O maior benefício do perdão é para quem o concede, mais do que para quem recebe.

“Se pecar contra você sete vezes num dia e cada vez vier e disser: “Me arrependo”, então perdoe” (Lc 17:4).

Quando alguém diz que perdoou, mas ainda nutri sentimentos como ódio, rancor, ressentimento, ou não quer nem ver ou ouvir falar da pessoa que a magoou, essa pessoa ainda não perdoou.

Ao perdoar sem restrições, gera em si bênção, saúde física, emocional e espiritual, isso porque expressa uma qualidade segundo o caráter de Deus.

“Não de deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem” (Rm 12:21).

“Ninguém deve buscar os seus próprios interesses e sim os interesses dos outros” (i Co 10:24).

Observe dois ditados da sabedoria popular: “Aquele que não perdoa, queima a ponte que ele mesmo terá que atravessar para ser perdoado”; e também: “Ultrajando teu inimigo, você se coloca abaixo dele; vingando-se de algo que alguém tenha lhe feito, você estará no mesmo nível dele; mas, ao perdoar a quem lhe fez algum mal, você estará acima dele”.


3) DAR O QUE ME É NECESSÁRIO

A terceira marca da “abundante graça” na vida de uma pessoa é a GENEROSIDADE EM DAR.

NÃO dar o que tenho sobrando...
NÃO dar o que não tenho mais necessidade...
NÃO dar aquilo que não uso ou que está obsoleto...
NÃO dar aquilo que não tem mais proveito.
MAS, dar até mesmo aquilo que ainda tenho necessidade ou me é ainda útil.

É repartir com alguém para que eu e ele tenhamos igualmente. É entrega total.

Tiago afirma:

14 Meus irmãos, que adianta alguém dizer que tem fé se ela não vier acompanhada de ações? Será que essa fé pode salvá-lo?

15 Por exemplo, pode haver irmãos ou irmãs que precisam de roupa e que não têm nada para comer.

16 Se vocês não lhes dão o que eles precisam para viver, não adianta nada dizer: “Que Deus os abençoe! Vistam agasalhos e comam bem.

17 Portanto, a fé é assim: se não vier acompanhada de ações, é coisa morta.

Difícil para se fazer? É realmente difícil, mas essa é a diferença entre aquele que tem “abundante graça”, daquele que ainda não a tem. Foi assim que Jesus Cristo viveu e muitos de seus servos também vivem.

CONCLUSÃO: II Co 12: 9-10

Aquele que quer ter a “Abundante Graça” deve buscar a cada dia, viver como a Palavra de Deus recomenda e procurar ter comunhão com todos os irmãos. Amém.