OUÇA MÚSICAS INSPIRADAS

2 de out de 2009

17 - A Abundante Graça

Introdução:

O tema em foco, desta palavra tem o seu contexto registrado, no relato da vida comunitária da Igreja Cristã Primitiva. E nela, destacamos alguns aspectos desta vida comunitária, que por causa deles gerou essa “Abundante Graça”.

Por exemplo:

a) “Da multidão dos que creram, era um o coração e a alma” (v. 32 a), isto é, tinham os mesmos sentimentos, vontades e propósitos.

Mesmo sendo pessoas diferentes, contudo, na comunhão da Igreja, por obra do Espírito Santo, eram “um”, tinham comunhão plena. Não havia partidarismo.

b) “Ninguém considerava exclusivamente sua nenhuma das coisas que possuíam; tudo, porém, lhes era comum” (v. 32b), isto queria dizer que, esses crentes, de fato, consideravam-se como verdadeiros irmãos, da mesma família.

Onde todos usurfluiam de tudo para que todos pudessem ter suprido todas as suas necessidades.

E, por fim:

c) O testemunho dos apóstolos a respeito da ressurreição de Jesus Cristo era acompanhado de “grande poder” (v. 33 a).

Não era uma mensagem fria e sem vida, mas, esse “grande poder” era uma palavra com a autoridade do Espírito de Deus, falada em verdade e acompanhada de obras, como assim deve ser toda palavra que é pregada em nome de Jesus Cristo.

E, por causa disso ou em função disso “em todos eles havia abundante graça” (v. 33 b).

3 MARCAS DA ABUNDANTE GRAÇA

1) VERDADEIRO AMOR

A primeira marca dessa “abundante graça” é AMAR SEM ESPERAR NADA EM TROCA. É amar, mesmo sem ser amado.

É fácil amar quando somos amados. É fácil amar quem também nos ama. Mas, o verdadeiro amor é o amor sacrificial (ágape), que nos entregamos mesmo sem ganhar nada em troca.

Veja o texto:

11 A mensagem que vocês ouviram desde o princípio é esta: que nos amemos uns aos outros.
12 Não sejamos como Caim, que pertencia ao Maligno e matou o próprio irmão. E por que o matou? Porque o que Caim fazia era mau, e o que o seu irmão fazia era bom.
13 Meus irmãos, não estranhem se as pessoas do mundo os odeiam.
14 Nós sabemos que já passamos da morte para a vida e sabemos isso porque amamos os nossos irmãos. Quem não ama está ainda morto.
15 Quem odeia o seu irmão é assassino, e vocês sabem que nenhum assassino tem em si a vida eterna.
16 Sabemos o que é o amor por causa disto: Cristo deu a sua vida por nós. Por isso nós também devemos dar a nossa vida pelos nossos irmãos.
17 Se alguém é rico e vê o seu irmão passando necessidade, mas fecha o seu coração para essa pessoa, como pode afirmar que, de fato, ama a Deus?
18 Meus filhinhos, o nosso amor não deve ser somente de palavras e de conversa. Deve ser um amor verdadeiro que se mostra por meio de ações.

2) PERDOAR SEM RESTRIÇÕES

A segunda marca dessa “abundante graça” é conceder PERDÃO SEM RESTRIÇÕES, SEM CLÁUSULAS, SEM OBRIGAÇÕES. É conceder perdão sem que o que errou, tenha que fazer alguma coisa ou dar algo em troca.

O maior benefício do perdão é para quem o concede, mais do que para quem recebe.

“Se pecar contra você sete vezes num dia e cada vez vier e disser: “Me arrependo”, então perdoe” (Lc 17:4).

Quando alguém diz que perdoou, mas ainda nutri sentimentos como ódio, rancor, ressentimento, ou não quer nem ver ou ouvir falar da pessoa que a magoou, essa pessoa ainda não perdoou.

Ao perdoar sem restrições, gera em si bênção, saúde física, emocional e espiritual, isso porque expressa uma qualidade segundo o caráter de Deus.

“Não de deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem” (Rm 12:21).

“Ninguém deve buscar os seus próprios interesses e sim os interesses dos outros” (i Co 10:24).

Observe dois ditados da sabedoria popular: “Aquele que não perdoa, queima a ponte que ele mesmo terá que atravessar para ser perdoado”; e também: “Ultrajando teu inimigo, você se coloca abaixo dele; vingando-se de algo que alguém tenha lhe feito, você estará no mesmo nível dele; mas, ao perdoar a quem lhe fez algum mal, você estará acima dele”.


3) DAR O QUE ME É NECESSÁRIO

A terceira marca da “abundante graça” na vida de uma pessoa é a GENEROSIDADE EM DAR.

NÃO dar o que tenho sobrando...
NÃO dar o que não tenho mais necessidade...
NÃO dar aquilo que não uso ou que está obsoleto...
NÃO dar aquilo que não tem mais proveito.
MAS, dar até mesmo aquilo que ainda tenho necessidade ou me é ainda útil.

É repartir com alguém para que eu e ele tenhamos igualmente. É entrega total.

Tiago afirma:

14 Meus irmãos, que adianta alguém dizer que tem fé se ela não vier acompanhada de ações? Será que essa fé pode salvá-lo?

15 Por exemplo, pode haver irmãos ou irmãs que precisam de roupa e que não têm nada para comer.

16 Se vocês não lhes dão o que eles precisam para viver, não adianta nada dizer: “Que Deus os abençoe! Vistam agasalhos e comam bem.

17 Portanto, a fé é assim: se não vier acompanhada de ações, é coisa morta.

Difícil para se fazer? É realmente difícil, mas essa é a diferença entre aquele que tem “abundante graça”, daquele que ainda não a tem. Foi assim que Jesus Cristo viveu e muitos de seus servos também vivem.

CONCLUSÃO: II Co 12: 9-10

Aquele que quer ter a “Abundante Graça” deve buscar a cada dia, viver como a Palavra de Deus recomenda e procurar ter comunhão com todos os irmãos. Amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário