OUÇA MÚSICAS INSPIRADAS

11 de jan de 2010

22 - Doegue: O Problema do Falar Inconveniente


A Bíblia relata o episódio de Davi e os sacerdotes de Nobe (1 Samuel 21. 1-7), quando Doegue estava presente, e viu quando o Sacerdote Aimeleque deu pães consagrados a Davi e a espada de Golias.

Veja o texto: “Achava-se ali, naquele dia, um dos servos de Saul, detido perante o Senhor, cujo nome era Doegue, edomita, o maioral dos pastores de Saul” (v. 7).

Doegue era alguém que estava na Casa de Deus, e ao invés de aproveitar esse tempo, que estava lá para adorar ao Senhor, estava sim, observando para falar mal em seguida.

Um dos maiores problemas que temos no meio cristão é a “língua desenfreada”, ou seja, pessoas que não sabem controlar o que falam, e acabam falando coisas inconvenientes, palavras que não deveriam ser faladas.

A Palavra de Deus nos faz algumas admoestações: “Todos mentem e enganam sem parar. Da língua deles saem mentiras perversas, e dos seus lábios saem palavras de morte, como se fossem veneno de cobra” (Rm 3.13). Também: “Alguém está pensando que é religioso? Se não souber controlar a língua, a sua religião não vale nada, e ele está enganando a si mesmo” (Tg 1. 26). E ainda: “È isto o que acontece com a língua: mesmo pequena, ela se gaba de grandes coisas. Vejam como uma grande floresta pode ser incendiada por uma pequena chama.

A língua é um fogo. Ela é um mundo de maldade, ocupa o seu lugar no nosso corpo e espalha o mal em todo o nosso ser. Com o fogo que vem do próprio inferno, ela põe toda a nossa vida em chamas.

Mas ninguém ainda foi capaz de dominar a língua. Ela é má, cheia de veneno mortal, e ninguém a pode controlar.

Usamos a língua, tanto para agradecer ao Senhor e Pai, como para amaldiçoar as pessoas, que foram criadas parecidas com Deus” (Tg 3. 5-9).

Agora perceba que o problema é antigo, e mesmo tendo o Espírito Santo deixado, essas e outras admoestações, muitos de nós ainda não aprendemos e nem praticamos.

A morte e a vida estão no poder da língua. Dependendo, do que você fale, determinará uma bênção ou de maldição em sua vida.

Dependendo do que você fale, você pode estar semeando a morte ou a vida em sua família, seus negócios, seu ministério, sua Igreja, etc.

Jesus Cristo nos garantiu vida abundante, vida plena, total, completa; contudo, as vidas de muitos de seus servos não estão como Ele gostaria que estivesse, e isso devido, ao tipo de palavras que estão saindo da boca desses crentes.

Jesus, certa feita, afirmou: “Não é o que entra pela boca que faz com que alguém fique impuro. Pelo contrário, o que sai da boca é que pode tornar a pessoa impura. Mas o que sai da boca vem do coração. É isso que faz com que a pessoa fique impura. Porque é do coração que vêm os maus pensamentos, os crimes de morte, os adultérios, as imoralidades sexuais, os roubos, as mentiras e as calúnias.” (Mateus 15.18-19 NTLH)

Observe outro ensinamento de Jesus: ”e quem proferir um insulto ao seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal; e quem lhe chamar: Tolo, estará sujeito ao inferno de fogo” (Mt 5.22).

Está claro. Dependendo do que você fale contra seu irmão, estará sujeito a julgamento no tribunal, e até o inferno de fogo.

A coisa é seria. Com a palavra de Deus não se brinca. Precisamos estar consciente do que estamos falando: “Porque todos tropeçamos em muitas coisas. Se alguém não tropeça no falar, é perfeito varão, capaz de refrear também todo o corpo” (Tg 3.2).

O homem prudente no falar tem o controle sobre todo o corpo, isto é, pode controlar todas as suas atitudes. Mas, aquele que não tem controle no falar, também perde o controle de todo o corpo, ou seja, não controla suas atitudes e vive como perdedor, e trazendo mal as pessoas ao seu redor.

Se quisermos ter a estatura do varão perfeito, temos que começar pela boca, aprendendo a falar e como utilizar bem as palavras.

Há quem diga que, se queremos ser homens e mulheres espirituais, precisamos começar colocando os joelhos no chão (oração), e isto é certo, contudo se não controlar a língua, o que falamos, você pode colocar tudo a perder.

A língua controla o joelho, mas o joelho nunca controlará a língua. As minhas palavras podem me levar à perfeição. Você quer ser perfeito? Então aprenda a controlar o que você fala.

Agora voltemos a Doegue e veja o mal que a palavra inconveniente desse homem trouxe aos sacerdotes de Nobe:

1. Doegue é um espírito mentiroso.

“Doegue, do país de Edom, estava ali com os oficiais de Saul e disse: Eu vi quando Davi foi falar com Aimeleque, filho de Aitube, em Nobe. Aimeleque perguntou a Deus, o SENHOR, o que Davi devia fazer. E também deu a Davi comida e a espada de Golias, o filisteu (I Sm 22. 9-10).

Observe a mentira de Doegue: Aimeleque, o sacerdote, nem consultou a Deus, e Davi, nem lhe pediu isso. Davi apenas pediu pães e uma arma (I Sm 21. 3-4,6 e 9).

A Bíblia fala que a nossa palavra deve ser “sim, sim, não, não. Pois o que disso passar vem do Maligno” (Mt 5. 37).

Esquecemo-nos das palavras bíblicas, e por esquecermos, estamos trazendo maldição sobre nossa vida e na vida da comunidade.

“Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira.” (João 8.44)

“Por isso não mintam mais. Que cada um diga a verdade para o seu irmão na fé, pois todos nós somos membros do corpo de Cristo” (Ef 4.25).

Doegue é um espírito de mentira, e a mentira não provém do Deus, e sim, do diabo.

2. Doegue é um espírito de fofoca

Além de trazer mentira, Doegue era fofoqueiro. Isto é, ele vivia levando e trazendo “fofocas”. Era uma pessoa que tudo que via contava para os outros, e quando contava, acrescentava mais alguma coisa.

O grande pensador grego Aristóteles afirma que “não há remédio algum para a mordedura venenosa da calunia”, da fofoca.

Quando os comentários feitos sobre uma pessoa, não visam uma proposta de ajuda ou de socorro, quando nossos comentários não visam dar suporte e auxílio a alguém, certamente esses comentários serão palavras de maldição, são fofocas, e isso deve ser banido do nosso meio.

A fofoca é um mal que se propaga a velocidade do som, ela tem a força dos ventos e o poder destruidor do terremoto, e isso, certamente não vem de Deus, e sim do diabo.

As fofocas contaminam os bons costumes, azedam e afetam as relações interpessoais.

As fofocas e os “disse me disse”, destroem a eficácia do trabalho que realizamos para o Reino de Deus e o ambiente saudável e harmonioso de qualquer sociedade interna e da Igreja.

Cuidado para não julgar precipitadamente as pessoas e os fatores que as motivam a agir de modo pouco convencional ou duvidoso, a primeira vista.

A mesma língua ferina, que critica e envenena as ações de outras pessoas, poderá voltar-se contra si mesmo e deixá-lo em apuros como crítico contumaz e insensato.

Preocupe-se e ocupe-se com aquelas coisas que contribuem para o desenvolvimento do seu caráter, de sua edificação e do crescimento da sua Igreja e do Reino de Deus.

A fofoca, certamente, não tem esses atributos. “Cuide do próprio negócio” – diziam e ensinavam os presbiterianos puritanos que fizeram a colonização norte-americana.

Platão, um dos pais da filosofia grega, afirma: “Os sábios falam porque têm algo a dizer; os tolos (os fofoqueiros – acréscimo meu), porque têm que dizer algo”.

A Bíblia afirma: “Não andarás como mexeriqueiro entre o teu povo, não atentarás contra a vida do teu próximo. Eu sou o Senhor” (Lv 19.16) Em outra versão: “Não ande espalhando mentiras no meio do povo, nem faça uma acusação falsa que possa causar a morte de alguém. Eu sou o SENHOR” (Lv 19.16 - Linguagem de Hoje)

“O mexeriqueiro espalha segredos, mas a pessoa séria é discreta” (Pv 11.13).

“O mexeriqueiro espalha os segredos, por isso fique longe de quem fala demais” (Pv 20.19).

Doeque é um espírito de fofoca, e a fofoca não traz edificação, e sim é um elemento de divisão que inibe o crescimento da obra de Deus.

3. Doeque é um espírito de destruição.

Este tal Doegue, com suas mentiras e fofocas, trouxe ainda mais desgraça para Davi e para aqueles que serviam a Deus.

Por quê? Porque Satanás que é o pai da mentira, usa a fofoca, a mentira para destruição.

Veja no que deu essas mentiras e fofocas de Doegue: “Saul lhe perguntou: — Por que é que você e Davi se juntaram para fazer planos contra mim? Por que você lhe deu comida e uma espada e perguntou a Deus o que ele devia fazer? Agora Davi se virou contra mim e está esperando a hora de me atacar. Aimeleque respondeu: Davi é o oficial mais fiel que o senhor tem! Ele é o seu próprio genro, capitão da sua guarda pessoal e muito respeitado por todas as autoridades do país. Será que esta foi a primeira vez que eu perguntei a Deus o que Davi devia fazer? Claro que não! O senhor não deve acusar a mim nem ninguém da minha família de estarmos fazendo planos contra o senhor. Não sei nada a respeito disso. Então o rei disse: Aimeleque, você e os seus parentes vão morrer” (I Sm 22. 13-16).

O resultado foi que o Rei Saul irado e cheio de inveja de Davi, decretou a morte de todos os sacerdotes de Nobe. Contudo os soldados da guarda se recusaram a matar os sacerdotes, pois sabiam da Lei de Deus que proibia: “Não toqueis nos meus ungidos, nem maltrateis os meus profetas” (1 Cr 16:22).

No entanto, Doegue, o fofoqueiro, cheio do poder do diabo, pois ao dar brecha com mentiras e fofocas permitiu a ação de Satanás em sua vida, pegou da espada e matou 85 sacerdotes do Senhor que estavam em Nobe.

“Então Saul disse a Doegue: Mate-os você. E Doegue os matou. Nesse dia ele matou oitenta e cinco sacerdotes de Deus” (I Sm 22.18).

Que espírito de destruição estava com aquele Doegue, o fofoqueiro. Era tão grande que envolveu o Rei Saul, o invejoso.

Saul não satisfeito com a morte dos 85 sacerdotes do Senhor, ainda mandou matar todas as pessoas que viviam em Nobe, pois eram familiares dos sacerdotes mortos: “Saul também mandou matar todos os outros moradores de Nobe, a cidade dos sacerdotes: homens e mulheres, meninos e criancinhas, o gado, jumentos e ovelhas — todos foram mortos” (I Sm 22:19).

Vejam o resultado do que pode levar uma pessoa fofoqueira: a morte de inocentes.

Somente um sacerdote escapou, Abiatar, que levou a notícia a Davi, que assim se expressa: “Ele contou que Saul havia matado todos os sacerdotes de Deus, o SENHOR. Então Davi disse a Abiatar: Naquele dia, quando vi Doegue lá, eu sabia que ele não deixaria de contar tudo a Saul. Assim, eu sou culpado da morte de todos os seus parentes” (I Sm 22: 21-22).

Davi fica totalmente impressionado com o poder da fofoca, e ao escrever o Salmos 52, assim se expressa: TÍTULO: “Escrita por Davi depois que Doegue, o edomita, foi encontrar-se com Saul e lhe contou que Davi tinha ido à casa de Abimeleque”.

“Homem poderoso, por que você se gaba da sua maldade? O amor de Deus dura para sempre. Você faz planos para acabar com os outros; a sua língua caluniadora corta tanto como uma navalha afiada. Você gosta mais do mal do que do bem e prefere a mentira em lugar da verdade. Seu mentiroso, você gosta de ferir os outros com palavras! Por isso, Deus acabará com você para sempre; ele o pegará e jogará para fora da casa em que você mora. Deus o tirará do mundo dos vivos” (Sl 52. 1-5 - NTLH).

Veja o Salmo 120: “Quando estive aflito, pedi ajuda a Deus, o SENHOR, e ele me respondeu. Ó SENHOR, livra-me dos mentirosos e dos falsos! Mentirosos, que será que Deus vai fazer com vocês? Como será que ele vai castigá-los? Ele os castigará com as flechas afiadas de um soldado e com brasas. Viver entre vocês me faz sofrer tanto como se eu morasse em Meseque ou entre a gente de Quedar. Há muito tempo que estou morando com aqueles que odeiam a paz. Quando falo de paz, eles falam a favor de guerra” (Sl 120.1-7 NTLH).

Veja agora o Salmo 140: “Ó SENHOR Deus, salva-me dos maus! Livra-me dos homens violentos. Eles vivem planejando o mal e estão sempre provocando brigas. A língua deles parece a língua das cobras venenosas, e as suas palavras são como o veneno das serpentes. Que os caluniadores não consigam progredir! Que a maldade persiga, pegue e destrua os homens violentos! Ó SENHOR Deus, eu sei que tu defendes o direito dos pobres e a causa dos necessitados. Os que te obedecem certamente te louvarão e os que são corretos viverão na tua presença” (Sl 140.1-3; 11-13 NTLH).

Davi ficou convencido do poder da língua, da palavra, e por isso, para não se deixar levar por esse mal, ele faz a seguinte oração ao Senhor: “Põe guarda, SENHOR, à minha boca; vigia a porta dos meus lábios.” (Salmos 141:3 RA) Também pediu: “Ó SENHOR, controla a minha boca e não me deixes falar o que não devo!” (Salmos 141:3 NTLH).

Doegue é um espírito de destruição e deve ficar longe de nossa vida. A Igreja que busca Santidade, Unidade e Crescimento, precisa compreender e praticar esta palavra de Deus.

CONCLUSÃO:

Comece a declarar palavras abençoadoras sobre tua vida, tua família, teus negócios, tua Igreja, teu ministério, teu pastor, teus filhos. Muita coisa começará a mudar. Creia.

Quanto mais o inimigo se levantar, maior será o poder de Deus em nós. O diabo precisa saber que você tem as palavras de Deus em sua boca, porque você é um escolhido de Deus, e tem na mente as palavras de Cristo, e ao falar, fala com a autoridade de Cristo. Aleluia!

Tuas palavras podem “viajar”, levando cura, salvação e bênçãos. Como Jesus, suas palavras traspassarão rios, vales, montanhas, paredes e chegarão até ao enfermo, que ficará curado.

Espero, em Cristo Jesus, que você esteja com o coração preparado, não só, para entender, mas para crer e praticar estas palavras.

Aquele que sabe “em quem tem crido”, certamente poderá dizer como o salmista que, eu não tenho medo das más notícias, ou seja, das más palavras.

A Bíblia diz que bendito é, os que nos abençoarem, e que malditos, serão todos os que no amaldiçoarem.

Devemos usar as nossas palavras corretamente e veja os benefícios, que ela traz a sua vida, contudo, cuidado, pois, como disse no início, a morte e a vida estão no poder da língua.

Deus te abençoe. Amém!

Nenhum comentário:

Postar um comentário